Faleceu Jim Bridwell, o Hippie dos escaladores

Discussão em 'Perguntas, sugestões, comentários e atualizações.' iniciado por Robert Wullstein, 18/1/19.

  1. Robert Wullstein

    Robert Wullstein Moderator Moderador

    Ontem li um artigo da revista Climbing.com, sobre as 10 matérias mais lidas em 2018 e, me reparei com a manchete que Jim Bridwell havia falecido no fevereiro de 2018. Já li no passado historias malucas sobre esse alpinista carismático. Bridwell era um dos montanhistas que levaram a escalada artificial para um novo patamar. Achei uma interessante historia e resolvi traduzir para vocês. Peço desculpe para pequenos erros, meu inglês é meio enferrujado. Quem fala a língua de Shakespeare pode acessar o artigo original : https://www.climbing.com/news/obituary-jim-the-bird-bridwell-1944-2018/

    Lembrando o grande inovador e prolífico conquistador das montanhas. O lendário alpinista de Yosemite Jim "The Bird" Bridwell morreu hoje em Palm Springs, Califórnia. Ele será lembrado por suas contribuições não apenas para escalar o Vale – ele abriu cerca de 100 novas vias, além de rotas Big Wall, A5 em Half Dome e El Capitan - mas também rotas alpinas de ponta do Alasca à Patagônia. Ele deixou uma esposa, Peggy e filho, Layton. Ele foi um dos grandes inovadores da era da escalada moderna, trazendo uma meticulosidade com tecnologia, aliada a uma atitude "vai em frente" nas suas muitas primeiras ascensões. Nascido em 29 de julho de 1944, em San Antonio, Texas, Bridwell era filho de Donald Bridwell, um piloto de avião que foi morto enquanto servia na Segunda Guerra Mundial. A mãe de Bridwell, Miriam, era uma dona de casa. Bridwell era um elo para a Era Dourada da escalada, tendo feito amizade com o falecido Royal Robbins quando jovem, antes de partir para as próximas quatro décadas em uma onda de primeiras ascensões. Ele foi o Top Dog no Vale de Yosemite nos anos 70, levando a escalada artificial para o próximo nível com as primeiras subidas no El Capitan. Essas incluíam as rotas mais difíceis do mundo na época: primeiro a "Pacific Ocean Wall" e depois a "Sea of Dreams" com seu lance notório A5 "Hook ou Book" o primeiro “se você cai, você morre”. Em 1975, ele, John Long e Billy Westbay se tornaram os primeiros a escalar "The Nose" em um dia.
    upload_2019-1-18_15-35-58.png
    Billy Westbay, Jim Bridwell, e John Long depois da primeira escalada em um dia da via "the Nose" in 1975.

    “Bridwell era uma ponte dos alpinistas da Era de Ouro e ele sabia para onde o esporte estava indo”, diz o fundador da Yosemite Climbing Association, Ken Yager. “No início, ele pegou a mentalidade de "Speedclimbing é seguro" das vias alpinas e colocou-a em El Cap, e foi por isso que ele fez a primeira subida de um dia. Ele sempre ficou na vanguarda e sempre esteve com equipes incríveis que ultrapassaram os limites ”.Bridwell e Steve Brewer perderam a primeira subida completa da Rota do Compressor, fazendo a terceira subida do Cerro Torre, em 1979. Durante a descida, ele quebrou as costelas quando uma fita com a qual estava ancorado falhou, causando uma queda enorme. Bridwell descreveu o acidente no American Alpine Journal:“De repente, a luz de pânico na minha cabeça ficou vermelha. A fita tinha se partido, mas eu ainda não sabia. Eu estava caindo a uma velocidade alarmante. Velocidade terminal, sem trocadilhos. "É isso", pensei, "o último ato". Assim como Toni Egger. Minha mente tornou-se sutilmente desconectada, assumindo o ponto de vista do espectador. Meus pensamentos eram tão claros e distintos quanto uma leitura de computador. O que tinha acontecido? O que ia acontecer? Eu viveria para ver meu feto? Onde está o fim da corda? Eu iria até o chão? Eu podia me ouvir gritando. ‘Cale a boca’, eu disse a mim mesmo. "Gritar não vai adiantar. "Dois anos depois, ele completou a primeira ascensão da “East Face of the Moose’s Tooth” com o falecido Mugs Stump. Durante a descida - tendo viajado sem um kit de Chumbadores - eles tiveram que fazer Rapel num único e pequeno Nut. Bridwell escreveu sobre esse momento: “Depois de descer metade da corda, dei graças ao Deus. Pois, maravilha das maravilhas, as cordas chegaram a uma rampa coberta de neve. O aperto frio da morte cedeu e uma paz profunda acalmou minha alma tremula. Quanto ao seu apelido, o Pássaro, Bridwell era um observador de pássaros e admirava os falcões. Suas primeiras subidas em San Jose, na Califórnia, ajudaram a recuperar e substituir ovos no alto das árvores. Em uma entrevista para o livro SuperTopo: Yosemite Big Walls, Bridwell falou de seus primeiros dias de escalada: “Fiz minha primeira escalada em Yosemite no meu aniversário de 18 anos em 1962 com o falecido Galen Rowell no Higher Cathedral Spire. Eu tive que pegar emprestado sapatos de um ajudante de garçom no Yosemite Lodge.” Eu tinha essas botas de trabalho. Eu estava começando a faculdade assim que o verão acabou. Eu só podia pagar a faculdade por dois anos devido a uma bolsa de estudos. Fiz o meu teste para ser piloto na Base Naval da Alameda. Quando cheguei pelos portões, ouvi dizer que Lee Harvey Oswald foi morto. Eu sabia que algo no país estava podre, então me tornei um trapaceiro e mudei para Yosemite. ”
    upload_2019-1-18_15-39-36.png
    ”Bridwell tinha muitas aventuras em todo o mundo e era conhecido por ser muito ambicioso e, as vezes, difícil de lidar com sua personalidade, que, à medida que envelheceu, talvez contribuísse para sua saúde deficiente. Layton Bridwell, filho de Jim, escreveu em uma campanha do GoFundMe (arrecadação de fundos) em janeiro de 2018 que seu pai teve complicações da hepatite C. “Minha mãe suspeita que ele poderia ter contraído isso de qualquer das suas aventuras, mas é mais provável que ele tenha vindo da tatuagem. recebido de nativos durante a sua viagem cruzando Bornéu nos anos 80, quando eu era criança. ”Sua travessia de Bornéu, quatro décadas na vanguarda da escalada, além de vida difícil, não foram fáceis para o homem conhecido por fumar como uma locomotiva, beber em excesso, usar alucinógenos e receber sua parte de duros golpes nas montanhas.

    Enquanto subia nos Alpes franceses na década de 1980, ele foi atingido por uma pedra no rosto, quebrando a primeira fileira de dentes. Em 2008, um acidente de rapel o colocou em queda livre até o chão; o impacto cortou o couro cabeludo, exigindo 60 pontos. "Jim disse que sua carreira de escalador terminou quando ele bateu no final de sua corda no "City of Rocks", diz o amigo de longa data Todd Gordon. “Ele disse que estava na hora de parar. Foi um presságio… alguns acidentes, mas não tantas, considerando as coisas que ele fez. Bridwell passou seus últimos dias cercado por amigos e familiares, passando pacificamente para outro plano em 16 de fevereiro de 2018, às 10h53.

    Amigos e parceiros de escalada Lembram-se de Bridwell

    Dean Fidelman
    Este antigo morador de Yosemite, "Mestre das Montanhas" dos anos 1970, e o fotógrafo pensavam em Bridwell como uma figura paterna. Nós nos conhecemos em 1971 ou 72,eu tinha 16 anos. Eu me formei no ensino médio alguns anos mais cedo. Todos os meus amigos eram mais velhos que eu, e eles tinham carros e eles eram escaladores. No dia em que eu deveria me formar, já estava em um carro indo para Yosemite. Uma vez lá, saí do carro e encontrei John Long, a quem já conhecia há alguns anos. Eu segui John até uma tenda em SAR, e lá, estava uma tenda de circo espaçosa de Bridwell. Apertamos as mãos e subimos pouco depois.“Nós subimos no lado direito da "Right Side of the Folly" (aka The Good Book) e eu não consegui liderar este lance molhado que é 5.10d. Eu estava ficando frustrado e Jim me chamou e disse: "Você sabe, Dean, a coisa com a vida e os amigos, é tudo relacionado com a pessoa. Eu não me importo com o quão difícil alguém sobe. Eu me preocupo como eles são como pessoa. Deixei ele lidar esse lance e segui, mas isso não importa. Eu lembro que naquela época eu só tinha amigos que eram escaladores. Acho que foi uma coisa vã que eu estava fazendo nessa idade e desde então aceitei o conselho de Bridwell. Agora eu vejo quem são as pessoas como pessoas - não como são como escaladores. Aqui estava esse Deus de escalada me dizendo o que ele fez; ele não se importava com o quanto eu subia. Foi sobre amigos.

    Eric Kohl

    Autor de uma lista de grandes paredes de Yosemite - descreve a vez em que ele e Bridwell começaram a subir a primeira subida da rota A5 no Half Dome a Shadows. “Eu me lembro que ele liderou o campo 5, que percorreu o caminho certo, e ele fez com que não parecesse tão ruim. Eu vou limpá-lo, e todos esses RURPS e outras pequenas peças começaram a cair. Eu perguntei como ele conseguiu colocar essas colocações realmente marginais, e ele disse "quando as colocações são muito frágil você tem que pairar, como um helicóptero", mesmo que isso signifique fazer um movimento meio livre para jogar menos peso na peça. Seus conselhos me ajudaram a ter mais confiança em posicionamentos marginais de equipamentos, ao mesmo tempo em que fazia movimentos difícil. A coisa mais interessante que ele me ensinou foi pairar, e a maneira como ele explicou é mais como um estado de espírito."

    Ron Gomez

    Gomez estava na cabeceira de Bridwell durante seus últimos dias e relembra a dedicação de Bridwell à sua família, observando que Jim e Peggy comemoraram seu quadragésimo quarto aniversário em 14 de fevereiro, dois dias antes de sua morte.

    PS: Como aqui no fórum existe uma limitação de 10000 caracteres, tive que excluir alguns trechos.
     
    Última edição: 18/1/19

Compartilhe esta Página