Esportiva

Discussão em 'Esportiva / Falésias' iniciado por Rocha, 14/9/16.

  1. Rocha

    Rocha Moderator Moderador

    Esportiva
    A escalada esportiva é um estilo de escalada praticada em pequenas falésias (~ 50 m de altura) onde estão fixadas permanentemente as proteções utilizadas para a segurança do escalador. Como o risco de acidentes fatais é amenizado por essas proteções, o praticante pode se concentrar nos movimentos atléticos encontrados ao longo da rota. Consequentemente, esse estilo enfatiza os movimentos ginásticos, com grande solicitação da força isométrica, bem como da potência muscular e a resistência de força dos membros superiores(6).

    A segurança do escalador é realizada por um conjunto de fitas sintéticas e fivelas de ferro que envolve a região do quadril (denominadas de cadeirinhas), por uma corda dinâmica, e por ganchos de duralumínio (denominados de mosquetões). As cadeirinhas são utilizadas para conectarem os escaladores às pontas das cordas, ao passo que os mosquetões são empregados para conectar a corda que está entre os escaladores com a rocha. A corda dinâmica conecta o escalador que está na rocha com o seu companheiro que se encontra na base da falésia. Em caso de uma queda, o escalador que se encontra na base será o responsável pela segurança. A característica elástica das cordas é importante para amenizar o impacto da massa corporal do escalador sobre o sistema de segurança fixado na rocha e sobre o organismo do seu companheiro. Essa forma de segurança requer muito treinamento para que seja executada corretamente, além de uma elevada confiança entre os escaladores.

    Esse estilo de escalada surgiu no início da década de 1980 como uma forma de treinamento físico e técnico para os escaladores de alta montanha. Porém, com o decorrer dos anos ela ganhou adeptos próprios em virtude da sua maior acessibilidade, comparados as escaladas alpinas. A ascensão da rota Action Directe feita pelo escalador alemão Wolfgang Güllich no ano de 1991 foi um marco histórico dessa modalidade. Isso se deve a vários fatores. Surpreendentemente, essa rota foi escalada novamente após quatro anos da primeira ascensão de Güllich, embora o esporte tenha experimentado um enorme avanço tecnológico. Ao realizarmos uma analogia com a natação, é como se o recorde nos 200 m livres masculino durasse quatorze anos para ser quebrado, mesmo tendo o surgimento os maiôs com tecnologia fast-skin.

    Além disso, como não conseguia manter os pés na rocha e, consequentemente, ficava pendurado com apenas um dedo de cada uma das mãos durante a escalada, Güllich inventou um aparato denominado de Campus Board para treinar especificamente para a Action Directe. Esse aparato consistia de pequenas agarras colocadas horizontalmente ao longo de uma placa de madeira, com aproximadamente 1,5 m de comprimento e a 1 m de distância do solo. Durante o treinamento no Campus Board, o escalador não consegue utilizar os pés e fica com a massa corporal sendo sustentada pelas falanges distais. Atualmente, esse aparato é indispensável para os escaladores esportivos que desejam melhorar o seu desempenho nas falésias rochosas.

    A forma pela qual se faz a ascensão das rotas é outra característica marcante desse estilo de escalada. Em termos gerais, a ascensão é valida quando não há quedas ao longo da rota e não se faz uso das proteções fixas para se apoiar. Porém, quando um escalador consegue realizar a ascensão sem ter observado outro escalador e sem nenhum tipo de informação prévia é denominado de on-sight. Essa é a forma mais importante de ascensão, pois tem uma solicitação técnica e tática maior ao se comparar com outra situação em que o praticante tem alguma dica prévia. Inclusive, a escalada on-sight é utilizada nas rotas das semi-finais e finais das competições da escalada esportiva indoor.

    Quando um escalador consegue subir a rota após uma ou mais tentativas é denominada como uma ascensão em red point. Quando o escalador tem muita dificuldade para ascender uma determinada rota, costuma-se trabalhar cada movimento isoladamente para depois encadeá-los. Essa forma de escalada fragmentada é denominada de Hang-Dog. O estilo Hang-Dog é muito utilizado para se treinar especificamente para as demandas físicas e técnicas de uma determinada rota esportiva. Existem relatos de escaladores de elite internacionais que passaram semanas trabalhando apenas um movimento de rotas difíceis, indicando que a especificidade é importante para esse estilo de escalada.


    Fonte: https://drive.google.com/file/d/0BwpQBzRB7jutUHlhRW1VWHo3aHc/view?usp=drivesdk
     
    Última edição: 18/5/17
  2. Robert Wullstein

    Robert Wullstein Moderator Moderador

    Bem explicado. Gostei !
     
    Rocha curtiu isso.

Compartilhe esta Página