Big Wall

Discussão em 'Big Wall / Escalada Artificial' iniciado por Rocha, 14/9/16.

  1. Rocha

    Rocha Moderator Moderador

    Big Wall
    A escalada em grandes paredes rochosas, geralmente acima de 600 m, é denominada de big wall. Se recorrermos novamente a nossa analogia com o atletismo, poderíamos afirmar que esse estilo é a maratona nas paredes. Em uma escalada em big wall, a sensação de isolamento da sociedade pode ser uma fonte de satisfação ou de apreensão, dependendo se o escalador está ou não com o controle da situação(4). Nesse tipo de escalada o resgate é muito difícil de ser realizado e a perda de um equipamento pode gerar grandes transtornos (por exemplo, um martelo), haja vista a impossibilidade de recuperá-lo. Assim, a escalada em big wall é sem dúvida um estilo mais rústico do que as demais, exigindo logística, capacidade de organização, trabalho em equipe, certa perícia, um bom julgamento das ações e perseverança.
    Como a ascensão de uma rota desse estilo de escalada frequentemente dura mais do que um dia, viver na parede faz parte da experiência no big wall. O escalador acorda, escala, puxa as coisas para cima, se alimenta, dorme, acorda e repete tudo novamente tendo como cenário apenas uma imensa parede rochosa. Invariavelmente, o escalador deve levar consigo todo o material necessário para cima da parede. Incluem-se nesse material os equipamentos para a escalada, para o pernoite, para a alimentação e higiene pessoal. Esse material é transportado em grandes mochilas feitas de material sintético capaz de suportar o atrito com a rocha, denominadas de haul bag. Cada haul bag completamente cheio pode pesar acima de 30 kg, o que dificulta não somente a escalada, mas também a caminhada de aproximação à parede que pode levar horas ou dias. Portanto, ao menos do ponto de vista fisiológico, parece que a aptidão aeróbia é um dos fatores determinantes do desempenho nesse estilo de escalada.
    Diferentemente dos demais estilos, a escalada em big wall é realizada na maioria das vezes em equipes de três escaladores. Parte da dinâmica da escalada em big wall é similar a da escalada tradicional. O primeiro escalador sobe até a parada e o segundo percorre o mesmo caminho recolhendo o equipamento, porém utilizando-se da corda para subir, ao invés de também escalar a rocha. A outra diferença é que o terceiro escalador deverá passar os haul bags da parada em que ele se encontra para uma corda que foi afixada pelo primeiro escalador para que seja possível subi-los. A idéia central dessa tríade é otimizar o tempo, que é fundamental em virtude da exposição às condições climáticas.
    A utilização de técnicas de escalada artificiais é outra característica marcante do estilo big wall. Existem certos trechos na parede que não podem ser escalados utilizando-se apenas as mãos, porque a formação rochosa é muito lisa e não permite ser segurada. Nesse sentido, os escaladores desenvolveram técnicas e equipamentos utilizados na progressão. Por exemplo, o cliff é uma peça metálica com o formato similar ao de um anzol de pesca que pode ser colocado sobre uma pequena saliência rochosa. Os cliffs ficam conectados à cadeirinha por meio de fitas específicas. Assim, o escalador posiciona o cliff na rocha e transfere a massa do seu corpo para ele, tentando localizar uma outra saliência para posicionar uma outra peça metálica e prosseguir com a escalada. Em termos gerais, diferentemente dos demais estilos de escalada, no big wall é permitido utilizar o equipamento de segurança e outros procedimentos artificiais para progredir na rocha.

    Fonte: https://drive.google.com/file/d/0BwpQBzRB7jutUHlhRW1VWHo3aHc/view?usp=drivesdk
     
  2. Paulo Avila

    Paulo Avila Member

    Onde praticar big wall no Brasil?
     
  3. Pedra Riscada em São José do Divino é uma boa pedida e com certeza um excelente treinamento...
    escalada5.jpg
    ;)
     
    Editado por um moderador: 1/5/17
    Rocha curtiu isso.
  4. André

    André New Member

    No Brasil existem diversos BigWalls, segue abaixo algumas dessas rotas.

    Lembrando que todas rotas são de altíssimo comprometimento e requerem muita experiência e ousadia para serem escaladas.

    1 - Domingos Giobbi (Pedra do Baú - São Bento do Sapucaí/SP)
    2 - Crédito Divino 4° A2+ 250m (Agulha do Diabo - Teresópolis/RJ)
    3 - Crazy Muzungus D5 5° A2 E3 600m (Garrafão - Guapimirim/RJ)
    4 - Franco-Brasileira D6 VI A3 (Pedra do Sino - Teresópolis/RJ)
    5 - Terra de Gigantes D6 4° IV+ A4 550m (Pedra do Sino - Teresópolis/RJ)
    6 - Eclipse Oculto A2+ (Pedra do Sino - Teresópolis/RJ)
    7 - Fuga do Calabouço A3+ (Castelão - Petrópolis/RJ)
    9 - Almas Defumadas D6 VIIa A3 (Garrafão - Guapimirim/RJ)
    10 - Face Sul D6 V A1 (Garrafão - Guapimirim/RJ)
    11 - Abuso D5 7° VIIa A2+ (Escalavrado - Teresópolis/RJ)
    12 - Nefelibatas D6 IV A3 (Pedra do Sino - Teresópolis/RJ)
    13 - Nova Era D6 IXc E5 (Pedra do Sino - Teresópolis/RJ)
    14 - Portal para o Infinito D6 5º VI A2 (Pedra do Sino - Teresópolis/RJ)
    15 - Taxi Lunar D6 7º A4 (Pedra do Sino - Teresópolis/RJ)
    16 - Faces do Horror D5 5º A2+ 230m (Cabeça de Nego - Petrópolis/RJ)
    17 - Tragados pelo Tempo A3 (Corcovado - Rio de Janeiro/RJ)
    18 - Impermeáveis (Dedo de Deus - Teresópolis/RJ)
    19 - Cavalaricias de Áugeas A2 VIsup (M. do Sul)
    20 - Será que o Tempo Realmente Passa (João Antonio - Rio de Janeiro/RJ)
    21 - Face Nordeste D6 6° A2+ 550m (Itabira - Cachoeiro do Itapemerim/ES)
    22 - Muriqui Moleque na face sudeste da Cabeça de Peixe.
     
  5. Renato Gamba Romano

    Renato Gamba Romano New Member

    Tem também a recente aberta "Sangue Latino", na pedra baiana em MG.
     

Compartilhe esta Página